Chame como quiser – Anderson Henrique

Por Fernanda Falleiro

Com grandes doses de inventividade o escritor Anderson Henrique (Editora Penalux), em Chame como quiser, brinca com a rotina e nos tira da mesmice com personagens que poderiam ser eu ou você, caso nossa vida fosse um pouco mais fantástica. Que bom que não é, pois a tragédia encontra alguns, o cômico outros e a critica social a todos, neste livro de contos muito bem estruturado.

Continuar lendo

A infância e o medo em It – A coisa

Gente, que livro fantástico! Apenas no primeiro capítulo de It já dá para perceber como o escritor pretende brincar com seus medos. Você está acompanhando George brincando na chuva, se depara com um palhaço assustador no bueiro, e finaliza com um barco de papel seguindo seu rumo natural no ciclo do esgoto. Como um capítulo que descreve um assassinato pode acabar de forma tão calma? Talvez seja a definição perfeita da cidade de Derry.

Continuar lendo

Almakia – A vilashi e os dragões é inacreditável!

A resenha de Almakia foi publicada inicialmente no meu antigo blog, Way to Happiness

Garo-lin é uma vilashi que possui um almaki, ou seja, uma aldeã comum, mas que mesmo assim possui o dom de manipular o fogo. Quando entra no maior Instituto de Almakia, percebe que está ali apenas para ser posta em seu lugar, uma insignificante aldeã com um insignificante poder. O oposto dos cinco dragões, descendentes de famílias poderosas que possuem o maior grau de poder de seus almakis, e os futuros governantes de suas cidades.

Continuar lendo

Realidade e política em A revolta de Atlas

Dagny Taggart é vice-presidente da ferroviária Taggart Transcontinental. Seu irmão, presidente da empresa, é o típico parasita, tentando se dar bem em todas as situações, mas sem nenhuma noção administrativa. Nesse conflito, Dagny conhece Hank Readern, um metalúrgico que, após anos de trabalho e pesquisa, consegue descobrir um metal mais resistente e mais leve que o aço. O que podia ser uma história de sucesso se torna uma história de desespero para cada ato governamental que impede a empresa de vender ou de produzir esse metal, para não destruir a concorrência.

Continuar lendo

Lolita e a corrupção de uma criança de 13 anos

Humbert Humbert, acadêmico, começa a história deixando claro que está preso, e que seu diário é uma forma de explicar o que exatamente aconteceu. E, logo no início, esclarece que o fato de seu primeiro amor, Annabel, ter morrido de forma prematura sem poderem consumar seu amor, lhe causou uma forte preferência por meninas de 9 a 14 anos. Assim, a primeira parte do livro se resume a uma apresentação de sua vida antes de conhecer Dolores, mais conhecida como Lolita.

Continuar lendo

Orgulho e preconceito

A família Bennet é constituída pelo pai irônico, pela mãe fútil, e pelas cinco filhas. As duas mais velhas, de rara beleza e inteligência, são sempre notáveis em todos os eventos sociais que comparecem, ao contrário das irmãs mais novas, que estão apenas em busca do marido perfeito, principalmente se ele usar uma farda. E a notícia da vinda de um jovem bonito e promissor para a vizinhança é o evento do momento.

E se fingíssemos que esse não é um clássico? Se simplesmente pegássemos esse livro sabendo que era um romance, e lesse sem compromisso? Foi com esse desafio que peguei Jane Austen pra ler. Deixei de lado as análises e as preocupações, as indicações, o sucesso. Peguei esse livro de romance para ler como um livro de romance. E terminei como uma fã apaixonada.

Continuar lendo

Exorcismos, amores e uma dose de blues

Tiago Boanerges teve que escolher entre o amor e o trabalho, e foi essa escolha que tornou sua vida como exorcista tão difícil. Ser demitido do Conselho de Hórus trouxe umas poucas vantagens, mas Tiago exulta quando recebe a proposta de terminar o serviço que começou para se redimir dos erros passados. Mesmo que isso signifique se encontrar com quem acabou com sua profissão – e com seu coração.

Continuar lendo

A lição de anatomia do temível Dr. Louison

Isaías, após suas desventuras em Recordações do escrivão Isaías Caminha (Lima Barreto), recebe um pedido que não pode negar: escrever uma matéria sobre o assassino em série Antoine Louison, que chocou o país por expor em galerias de arte o desenhos dos órgãos de suas vítimas. Quem poderia ser tão execrável? Porém, muito além da odiosa mente de um serial killer, Isaías começa a ver também um homem culto, de boa educação e ideias inovadoras. Afinal, o que levou um homem de tal estirpe a cometer crimes tão odiosos?

Continuar lendo